Diabetes Melittus

 

O diabetes melittus é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia, resultantes de defeito na secreção e/ou ação da insulina (SCOTT-STUMP, 2007).

 

A hiperglicemia do diabetes está associada, a longo prazo, à ocorrência de lesão, disfunção e insuficiência em diversos órgãos, especialmente olhos, rins, nervos, coração e vasos sangüíneos. Divide-se o diabetes melito em tipos distintos – tipo 1, tipo 2, diabetes melito gestacional, entre outros. O do tipo 2, o qual representa 90% dos casos da doença, é especialmente afetado tanto por fatores genéticos, como ambientais (SCOTT-STUMP, 2007).

 

Diabetes melittus Tipo 1

O diabetes melittus (DM) tipo 1 é a deficiência absoluta de insulina com incapacidade total de produzir esse hormônio. Resultante de um defeito das células beta pancreáticas (ilhotas de Langerhans), DM tipo 1 pode estar relacionado ao córtex adrenal, tiróide, hipófise anterior ou a outros órgãos. Normalmente, a forma imunomediada tem início em crianças ou jovens adultos, mas pode surgir em qualquer idade. O tipo 1 idiopático é uma forma rara, sem causa conhecida. A extensão da lesão às células beta difere entre pacientes diagnosticados com diabetes tipo 1 antes e depois da puberdade. O processo é mais lesivo em crianças com menos de 7 anos de idade, pois o funcionamento das células beta restante não é afetado pela presença ou ausência de anticorpos ligados às células das ilhotas. O DM tipo 1 é responsável por cerca de 10% de todos os casos de DM (SHILLS, 2006).

 

Diabetes melittus tipo 2

Diabetes melittus tipo 2 é causado pela resistência à insulina, em que ocorre falha em seu uso apropriado, combinando-se com uma deficiência relativa de insulina. Normalmente os indivíduos apresentam excesso de peso e são sedentários, com histórico familiar de diabetes. Os fatores de risco são genética, obesidade e idade (PORTH, 2004).

O comprometimento do metabolismo da glicose é um fator de risco para ocorrência futura de diabetes e de cardiopatia coronariana. (SCOTT-STUMP, 2007).

 

Diabetes melittus tipo 2  não diagnosticado é comum em idosos com hipertensão. As probabilidades de ocorrência da síndrome de resistência à insulina (hiperlipidemia, hiperinsulinemia e dislipidemia) por volta da meia-idade, estão relacionadas ao ganho de peso ao longo dos 30 anos precedentes. A obesidade na parte superior do corpo (andróide) está mais intensamente associada ao diabetes tipo 2 do que a obesidade na parte inferior (ginóide). Parece ser fatores de alto risco para diabetes melito tipo 2: níveis moderadamente elevados de pressão arterial, colesterol total, HbA1c e IMC elevado (SCOTT-STUMP, 2007).

Sobre Dra. Karina Carvalho - Nutricionista

Nutricionista Clínica, Nutricionista Esportiva, Nutricionista Estética, Nutricionista Funcional, Fitoterapia

Publicado em novembro 28, 2009, em Artigos Nutrição Clínica, Diabetes, Nutrição Clínica e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Pingback: Trackback

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: